O papel do brincar na saúde mental infantil

O ato de brincar é uma das atividades mais fundamentais e naturais da infância. Por meio das brincadeiras, as crianças exploram o mundo, expressam-se e aprendem sobre si mesmas e os outros.

Além disso, o brincar possui um papel vital no desenvolvimento da saúde mental infantil, sendo um campo de interesse crescente entre psicólogos, educadores e profissionais de saúde.

Brincar e o desenvolvimento emocional

brincar e o desenvolvimento emocional

Segundo a teoria do pediatra e psicanalista Donald Winnicott, o brincar é um espaço intermediário entre a realidade interna e externa da criança, permitindo que ela experimente, teste e entenda suas emoções e as dos outros.

Ou seja, ao brincar de faz de conta, por exemplo, a criança pode vivenciar diferentes papéis, o que contribui para o desenvolvimento da empatia e da capacidade de lidar com emoções complexas.

Resiliência e solução de problemas

resiliência e o brincar na infância

Brincadeiras, especialmente as não estruturadas, incentivam a criatividade e a resolução de problemas.

As crianças aprendem a negociar, a enfrentar desafios e a superar frustrações. Isso se reflete em resiliência, uma habilidade essencial para a saúde mental.

Dessa forma, estudos destacam que o brincar é essencial para o desenvolvimento da capacidade de enfrentar e superar adversidades.

Socialização e brincadeira

A socialização é outro aspecto crucial do brincar. Ao interagir com seus pares, as crianças aprendem sobre regras sociais, limites e cooperação.

Existe uma correlação entre interações sociais através do brincar e o desenvolvimento cognitivo e social das crianças. Dessa forma, as habilidades sociais adquiridas durante as brincadeiras são fundamentais para a saúde mental a longo prazo.

O Impacto do brincar na redução do estresse

Brincar também pode ser uma poderosa ferramenta para reduzir a ansiedade e o estresse em crianças. Uma pesquisa realizada por Howard J. Eisenberg sugere que as brincadeiras podem servir como uma válvula de escape para as tensões emocionais e ajudar na regulação do estado de ânimo.

Recomendações dos especialistas

A “American Academy of Pediatrics” recomenda que médicos prescrevam brincadeiras para crianças, reconhecendo a sua importância para o desenvolvimento saudável.

Além disso, a Organização Mundial da Saúde (OMS) inclui o brincar como um direito da criança, destacando seu papel na realização do potencial completo da infância.

Como você conferiu aqui, brincar é uma ferramenta poderosa para o desenvolvimento da saúde mental infantil. Ele ajuda a construir resiliência, facilita a socialização, promove a solução de problemas e serve como um meio para as crianças processarem suas emoções.

Dessa forma, os pais e cuidadores devem ser incentivados a prover tempo, espaço e permissão para que as crianças brinquem livremente, garantindo assim um fundamento sólido para o bem-estar emocional e psicológico.

Quer continuar acessando como este? Siga a Dra. Jaqueline Bifano no Instagram.

Compartilhar este post

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário