Redes sociais e autismo: entenda essa relação

Você sabia que a relação entre redes sociais e autismo pode ser muito benéfica?

Atualmente, com o crescimento do tema, diversas pesquisas científicas estão sendo feitas e já comprovam que essa é uma relação de sucesso.

Se você deseja entender melhor como se dá a relação entre redes sociais e autismo e compreender de que maneira esse contato pode ser benéfico para pessoas no espectro, não deixe de acompanhar este texto!

Entenda a relação entre redes sociais e autismo

Entre os principais sintomas do autismo está a dificuldade de interação e comunicação social, por isso, muitas vezes as pessoas no espectro encontram obstáculos na hora de iniciar uma amizade ou de compartilhar as coisas que gostam.

Porém, com o avanço das tecnologias e a facilidade cada vez maior de acessar as redes sociais, isso tem mudado.

Assim, as pessoas com autismo estão encontrando nas redes sociais um espaço de convívio muito interessante, que atende várias de suas necessidades.

As redes sociais e a possibilidade de criar laços

redes sociais e crianças autistas

De acordo com uma pesquisa realizada pelo site Autism Speaks, autistas que estão nas redes sociais se sentem mais próximos de pessoas que têm os mesmos gostos que eles. Sendo assim, conseguem criar laços com outras pessoas mais facilmente.

Isso acontece principalmente porque a interação social não é tão presente na relação virtual, visto que as pessoas trocam mensagens escritas ao invés de falar ou tocar umas nas outras, por exemplo.

Outras pessoas que participaram da pesquisa alegaram até que suas possibilidades profissionais aumentaram, pois através das redes sociais conseguiram expor todas as suas habilidades e interesses, o que acaba chamando a atenção de recrutadores.

Diante disso, o departamento de Psiquiatra da Universidade de Yale também começou a estudar a relação entre autismo, redes sociais e felicidade, e entendeu que é nas redes sociais que muitas pessoas no espectro conseguem se desenvolver socialmente, fazer amizades e inclusive iniciar relacionamentos amorosos, e que essa relação pode ser extremamente benéfica.

Dicas para utilizar as redes sociais

A partir dessas pesquisas, a University College of London desenvolveu um guia para as pessoas autistas conseguirem utilizar as redes sociais com segurança e garantir esses benefícios.

Entre as dicas presentes no guia estão:

  • Nunca compartilhar as senhas.
  • No caso de adolescentes, não marcar reuniões ao vivo sem o consentimento de um adulto.
  • Bloquear pessoas que fazem comentários ofensivos ou de ataque direto.
  • Ter calma ao lidar com comentários ofensivos ou confusos, e não responder de imediato.
  • Conversar com os pais sobre questões que estão presentes na internet, como piadas, ironias e golpes.
  • Pedir ajuda na hora de responder mensagens confusas ou desrespeitosas.

Como você viu, as redes sociais podem ser extremamente benéficas para as pessoas no espectro visto que assim elas conseguem estabelecer laços e compartilhar interesses. No entanto, é preciso sempre ter cuidado, porque ao mesmo tempo em que a internet proporciona coisas boas, também oferece riscos.

Gostou do conteúdo e quer saber mais informações sobre a relação entre redes sociais e autismo? Siga nossas redes sociais!

Compartilhar este post

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp

1 comentário

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Postar Comentário